fbpx

Turismo em Tocantins – O que fazer




Conheça alguns destinos de turismo que você poderá conhecer em Tocantins

Vale dos Grandes Rios

O Vale dos Grandes Rios abriga cidades no norte, numa região entre os rios Araguaia e Tocantins. Banhada pelos afluentes do Araguaia, Araguaína a região se destaca pela pecuária e por sediar grandes feiras de negócios. Um dos municípios que compõem a região, Filadélfia, tem um passado glorioso, pois integrou a importante rota fluvial que ligava Goiás ao Norte do Brasil.

No local é possível usufruir das praias do rio Tocantins e do Monumento das Árvores Fossilizadas, um raro patrimônio científico mundial. Já Xambioá ficou famosa pelos conflitos entre guerrilheiros e militares. Hoje, aposta no ecoturismo baseado nas corredeiras e praias de rio. Além de Filadélfia e Xambioá, compõem a região os municípios de Araguaína, Babaçulândia, Itacajá, Pau D’Arco e Wanderlândia.

Saiba mais clicando aqui >>

 

Serras Gerais

Localizada entre os municípios de Aurora do Tocantins e Taguatinga (sudeste do Estado), as Serras Gerais do Tocantins fazem parte da maior cadeia de serras do Brasil e, além das maravilhas naturais, guardam tradições, arquitetura colonial, história e cultura como as Cavalhadas, as festas do Senhor do Bonfim e do Divino Espírito Santo, entre outras festas folclóricas e religiosas herdadas do colonialismo e da era do ciclo do ouro, como em Natividade, quando o município era grande produtor de jóias. Ainda são encontradas, para compra, jóias artesanais fabricadas por artífices locais.

Em toda a região, o ecoturismo é propiciado por uma profusão de rios, canyons, cachoeiras e cavernas como em Dianópolis, município que também guarda tradições ancestrais dos povos quilombolas. Outro município da região é Peixe, que de maio a outubro oferece praias de água doce à margem do rio Tocantins. Em meio a fauna, a flora e outras belezas naturais, o visitante pode apreciar também os centros históricos de Natividade, Dianópolis e Arraias, que em suas ruas estreitas e muros de pedra construídos por escravos guardam memórias da história do Tocantins.

Há ainda as formações rochosas, serras, o Canyon Encantado, Cachoeirinha, Gruta dos Caldeirões, Cachoeiras, o Arco do Sol e o rio Azuis, considerado o menor rio do Tocantins e o terceiro menor do mundo. Com apenas 147 metros de comprimento, o rio Azuis fica no povoado de mesmo nome, na cidade de Aurora do Tocantins. Trakking, snorkel, rafting, trilha, canoagem, banhos de cachoeira, contemplação da natureza e muitas outras atividades podem ser praticadas em toda a região tocantinense das Serras Gerais.

Saiba mais clicando aqui >>

 

Ilha do Bananal

Com área de cerca de 25 mil km², a Ilha do Bananal é considerada a maior ilha fluvial do mundo, localizada no Tocantins entre dois grandes rios, que são o Javaés e o Araguaia, nas divisas com  Goiás e mato Grosso, na planície do Cantão,  e integra os municípios tocantinense de Pium, Caseara, Formoso do Araguaia, Lagoa da Confusão e Marianópolis.

A ilha é uma parte parque nacional e outra parque indígena,  uma das mais importantes áreas de conservação do Brasil, classificada pela  organização das Nações Unidas para e Educação (Unesco) como reserva da biosfera e é onde estão localizadas as aldeias indígenas das etnias Javaés e Karajá, sendo que estes produzem entre outros tipos de artesanato, as bonecas Rtxòkò, certificadas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) como patrimônio cultural do Brasil.

A fauna e a flora intocadas lembram o pantanal mato-grossense, e na maior parte do ano, grande parte da ilha fica inundada. Para se entrar na ilha é necessário autorização dos órgãos federais Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio), que mantém um escritório em Pium, ou da Fundação Nacional do Índio (Funai), cuja sede está localizada em Palmas.

Um dos grandes atrativos para turistas de todo Brasil é a emoção da pesca esportiva, podendo-se fisgar grandes exemplares de piraras, pirarucus, surubins e caranhas, entre outros.

Unidades de preservação

A ilha do Bananal está dividida em duas áreas de reserva ambiental: ao sul, o Parque Indígena do Araguaia, criado principalmente para proteção dos índios da região, abrange um grande número de aldeias indígenas, principalmente da etnia Karajá e é administrado pela FUNAI. Ao norte, o Parque Nacional do Araguaia abrangia antigamente toda a área da Ilha do Bananal, porém sua área foi reduzida e hoje é administrada pelo ICMBIO.

Municípios que compõe a região

A região turística Ilha do bananal é composta pelos municípios de Formoso do Araguaia, Gurupi, Lagoa da Confusão e Peixe. Banhados pelos Rios Formoso, Urubu, Araguaia e Javaé,  Lagoa da Confusão e Formoso do Araguaia são porta de entrada para a Ilha do Bananal e o Parque Nacional do Araguaia. Com topografia plana e grande quantidade de água, a área tem como característica a quantidade de alimentos, que atrai uma diversidade de aves típicas da região, além de aves migrantes.

Na Lagoa da Confusão são encontradas espécies de fauna e flora características da região amazônica, onde se desenvolvem vários projetos de proteção ambiental, cuja base é o Parque Estadual do Cantão. Já em Formoso do Araguaia a característica principal está nos redutos de pesca esportiva, praticada durante todo o ano. Tendo uma água de ótima qualidade com cerca de 300 espécies de peixes, das quais 50 são consideradas esportivas. Essa prática  transformou-se na principal atividade econômica da região, atraindo grande número de turistas.

Saiba mais clicando aqui >>

 

Bico do Papagaio

Situada no extremo norte do Estado, a região do Bico do Papagaio é uma área de transição entre a fauna e a flora do cerrado e da amazônia. A região pertencia ao Estado de Goiás e passou um longo período de isolamento regional, o que serviu como argumento para a emancipação política do Estado do Tocantins.

Com a criação do Tocantins em 1989, muitos municípios foram desmembrados dando origem a vários outros, a exemplo do município de Axixá do Tocantins, desmembrado de Itaguatins. A região onde se localizam os municípios de Axixá do Tocantins, Buriti do Tocantins, Esperantina e São Miguel do Tocantins, é conhecida atualmente como polo pioneiro do Bico do Papagaio. A região conta com uma cultura popular riquíssima, com festejos tradicionais, e tem entre seus habitantes um povo muito forte, além de estar totalmente ligada à história do Estado.

A região do Bico do Papagaio está localizada entre os rios Araguaia, a Oeste, e Tocantins, a Leste;  fazendo fronteira entre o Estado do Pará, a Oeste, e Maranhão, a Leste. Seu território é composto por 25 municípios: Aguiarnópolis, Ananás, Angico, Araguatins, Augustinópolis, Axixá do Tocantins, Buriti do Tocantins, Cachoeirinha, Carrasco Bonito, Darcinópolis, Esperantina, Itaguatins, Luzinópolis, Maurilândia do Tocantins, Nazaré, Palmeiras do Tocantins, Praia Norte, Riachinho, Sampaio, Santa Terezinha do Tocantins, São Bento do Tocantins, São Miguel do Tocantins, São Sebastião do Tocantins, Sítio Novo do Tocantins e Tocantinópolis.

Saiba mais clicando aqui >>

 

Praias e Lagos do Cantão

Turismo de aventura, ecoturismo e observação da fauna e flora. Quem procura essas modalidades não pode deixar de conhecer um dos cenários naturais mais incríveis do País. No Estado do Tocantins, a região do chamado Cantão abriga rios, florestas e uma rica biodiversidade, guardando imensas riquezas naturais.

A região, que compreende os municípios de Araguacema, Caseara, Lagoa da Confusão e Pium, tem características singulares, por ser área de transição entre os maiores ecossistemas brasileiros: a Amazônica e o Cerrado.

A fauna é caracterizada por animais típicos do cerrado e da floresta Amazônica, podendo se encontrar jacarés, veados, botos, entre outros. A imensa variedade de espécies de aves – mais de 500 – torna o Cantão um verdadeiro paraíso para os adeptos ao ecoturismo de observação. Isso, aliado às inúmeras espécies de peixes, às praias e lagos que compõem o cenário, atrai turistas e pesquisadores.

A região integra ainda a Área de Proteção Ambiental (APA) da Ilha do Bananal, o Parque Estadual do Cantão, o Parque Nacional do Araguaia e o Parque Indígena do Araguaia, formado pelas etnias Karajá e Javaés.

As altas temperaturas registradas durante todo o ano, aliadas às características do relevo e hidrografia, também são fatores que favorecem atividades de turismo de aventura e de ecoturismo, além daquelas relacionadas à contemplação da paisagem.

Entre os atrativos, quem visita a região tem a oportunidade de desfrutar de rios, praias, trilhas e igapós. As praias, formadas ao longo do Rio Araguaia, atraem milhares de turistas a cada ano, no período de estiagem, em especial no mês de julho, alta temporada. Os destinos mais procurados nesta modalidade são os municípios de Araguacema e Caseara.

Mas é durante o período de cheias que o rio apresenta maior diversidade de espécies de peixes e pássaros exóticos, além de outros animais da fauna brasileira, propiciando  atividades voltadas à pesca amadora e observação.

Na divisa com o estado do Pará, o Araguaia encontra-se com os rios do Coco e Javaés, formando uma espécie de delta e em toda a região do Parque Estadual do Cantão encontram-se lagos, canais e ilhas. Entre os roteiros mais frequentes estão  as trilhas dos grandes lagos Três Pernas, Benta, Cabana e Cega-Machado. Os aventureiros, praticantes do Arvorismo, também vão se encontrar no Cantão, lugar tão vasto em extensão quanto em opções de diversão e encantamento.

Saiba mais clicando aqui >>

 

Serras e Lago

O polo turístico Serras e Lago integra os municípios de Lajeado, Palmas, Paraíso do Tocantins e Porto Nacional. Juntos, possuem uma área de 8.288,32 km².  Os municípios  concentram os principais atrativos turísticos da região central do estado.

O polo conta com várias unidades de conservação de proteção integral e de uso sustentável como o Parque Estadual do Lajeado (criado pela Lei n° 1.244, em maio de 2001), APA Serra do Lajeado, Área de Proteção Ambiental do Lago de Palmas, APA Serra do Estrondo, RPPN Sitio Ecológico Monte Santo,  RPPN Bela Vista.

O principal destino desta região é a mais jovem capital brasileira, Palmas, uma bela cidade planejada, com seus parques urbanos, praças imensas e áreas verdes, e incontáveis oportunidades de bons negócios. As atividades turísticas passam pelo potencial da Serra do Lajeado e do lago formado pela construção da Usina Hidrelétrica Luís Eduardo Magalhães, no qual podem são praticados diversos esportes náuticos.

As praias permanentes de Palmas, assim como as de temporada dos demais municípios, atraem milhares de banhistas, que buscam nessas águas se refrescarem do calor intenso, característico do Tocantins o ano inteiro.

Conhecer a região Serras e Lago é uma oportunidade de desfrutar de variados segmentos do turismo, incluindo ecoturismo e aventura, negócios e eventos, sol e praia, esportes náuticos, religioso, histórico-cultural, bem como a pesca esportiva. Por tudo isso, inclua este destino na sua programação de viagens!

Saiba mais clicando aqui >>

 

Encantos do Jalapão

Destino já conhecido pelos apaixonados pelo ecoturismo e turismo de aventura. Localizada no Estado do Tocantins, a região encanta por suas águas abundantes, chapadões e serras com clima de savana, além da paisagem de cerrado, com direito a dunas alaranjadas, rios encachoeirados, nascentes e impressionantes formações rochosas.

A cada ano, cresce o número de brasileiros e estrangeiros que se aventuram rumo ao Norte do Brasil em busca desse, que já é um dos principais destinos do ecoturismo do país. A maioria dos atrativos está localizada nas cidades de  Mateiros, Novo Acordo, Ponte Alta do Tocantins e São Félix do Tocantins. Em meio a 34 mil km² de paisagem árida, a região é cortada por uma imensa teia de rios, riachos e ribeirões, todos de águas transparentes e potáveis.

Os atrativos garantem diversão o ano inteiro, seja no período chuvoso ou de estiagem, de acordo com o perfil e interesse do turista. Para os mais aventureiros, a região é ideal para prática  de esportes, entre eles o rafting, a canoagem, o rapel e as trilhas a pé e de bicicleta.

Entre os atrativos mais procurados estão a Cachoeira da Velha, uma enorme queda d’água em forma de ferradura de aproximadamente 100 metros de largura e 15 metros de altura; as Dunas, cartão postal do Jalapão, composto por areias finas e alaranjadas que chegam a 40 metros de altura; os Povoados do Mumbuca e Prata, comunidades remanescentes de quilombos, cuja visitação possibilita ao turista vivenciar a cultura local; a Serra do Espirito Santo, formação rochosa onde é possível apreciar a flora da região; a Cachoeira do Formiga, um encantadora nascente de água verde-esmeralda; e os Fervedouros, com suas águas transparentes, nas quais é impossível afundar.

A preocupação em manter preservada essa incrível riqueza natural é representada pela presença de vários instrumentos de conservação,  como o Parque Estadual do Jalapão, o Parque Nacional das Nascentes do Rio Parnaíba; a Estação Ecológica

Saiba mais clicando aqui >>

Fonte do texto: Secretaria de Estado de Turismo

Fonte da imagem: Pixabay

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *